O desenvolvimento humano consiste em automatizar processos, melhorar o clima organizacional e fazer com que os colaboradores se sintam bem no ambiente de trabalho. Isso vale para os profissionais em geral, e também para o RH. Então, investir em tecnologia é um dos pontos de maior destaque.

Investir neste aspecto envolve uma complexidade de fatores, desde treinamento até a qualidade do ambiente de trabalho e cultura. Mas você conhece a fundo este conceito e sabe o que sua empresa precisa fazer para estruturar políticas com essa finalidade? A área de Recursos Humanos tem papel importante nisso!

O desenvolvimento humano, sob a ótica da ciência, se caracteriza pela transformação das pessoas desde a concepção, passando pela adolescência até a maturidade. Já sob o olhar organizacional, é o processo que contempla ações e políticas para desenvolver e aprimorar habilidades e competências individuais.

Para entender a importância deste processo em uma visão global, é necessário destacar que existem aspectos internos (do indivíduo) e externos (do ambiente) que impactam diretamente no desenvolvimento humano. Confira aqui tudo o que sua empresa precisa saber sobre o assunto.

Desenvolvimento centrado nas pessoas

Uma premissa deste campo é que todo o processo deve ser centrado na evolução das pessoas e tem como finalidade entregar qualidade de vida e bem-estar a elas. Então, os gestores e o RH precisam pensar em maneiras de agradar os colaboradores, o que influencia diretamente na produtividade.

Neste sentido, o aumento da renda proporcionada pelo trabalho é um meio para que o indivíduo possa expandir suas liberdades, exercer seu potencial, garantir novas oportunidades e ter livre arbítrio para escolher a vida que deseja ter. Sendo assim, o processo passa pela implementação de políticas que foquem no crescimento dos talentos, proporcionando um ambiente saudável e equilibrado.

Em relação ao desenvolvimento humano, a atuação é centrada no indivíduo. Dessa forma, o objetivo é potencializar as suas habilidades e competências por meio da implementação de ações e práticas de desenvolvimento, tanto do indivíduo quanto do coletivo.

Desenvolvimento humano nas organizações

O estudo do desenvolvimento humano está se expandindo para o mundo dos negócios.  Afinal, as relações entre o indivíduo e seu trabalho, bem como as conexões que surgem a partir deste ambiente impactam diretamente sobre os resultados das empresas. Com base nisso, as empresas passam a focar na valorização das pessoas, e não apenas na produtividade.

Assim, o direcionamento estritamente para balanço financeiro dá espaço a modelos humanizados e centrados em valor e propósito dentro das corporações. Isso porque, uma vez que o indivíduo encontra realização e sentido no trabalho que desempenha, algumas características são vistas:

  • Passa a desenvolver atividades melhores;
  • Se torna mais produtivo;
  • Impacta positivamente no resultado global da companhia.

Essa mudança nas corporações impacta diretamente a área de Recursos Humanos. Dessa forma, é preciso aliar visão estratégica com foco em resultados a uma gestão de pessoas eficiente, que priorize a qualidade de vida no ambiente de trabalho.

Assim, o RH deve mudar a sua atuação. O ideal é automatizar rotinas, descentralizar a gestão e se dedicar de forma efetiva a desenvolver e colocar em prática ações que visem o bem-estar dos colaboradores. Os profissionais da área devem ajudar os colaboradores a encontrar prazer no que fazem, o que é possível por meio de:

  • Dinâmicas de integração;
  • Treinamento e capacitação;
  • Benefícios e incentivos salariais;
  • Um bom clima organizacional.

E para entender o desenvolvimento humano nas corporações, é preciso compreender o impacto da gestão de pessoas no âmbito pessoal e profissional.

image 12

A importância da gestão de pessoas

O ativo mais precioso das empresas são as pessoas! Isso porque são elas que movem as corporações, realizam atividades, desenvolvem estratégias e são as principais responsáveis pelo sucesso ou fracasso de uma corporação.

Aliás, melhorar as condições de trabalho passa por investimentos em tecnologia, com softwares substituindo atividades manuais, repetitivas e cansativas. Agregar ferramentas que elevem a transparência na relação e que deem autonomia para a autogestão é uma excelente ideia em relação ao desenvolvimento humano.

A responsabilidade de fazer uma boa gestão de pessoas passa pelo RH, porém, este não é o único responsável por esta atividade. Os diretores e líderes de equipes também têm sua parcela de contribuição. O aplicativo Leader, por exemplo, é uma ferramenta que facilita esse processo, aproximando o setor de gestão de pessoas dos líderes, através da descentralização de informações sobre a jornada dos colaboradores.

Neste caso, as lideranças são responsáveis por reconhecer talentos, identificar a necessidade de capacitação dos seus liderados, gerir competências, atividades e conflitos. Isso ao mesmo tempo em que líderes e profissionais de RH precisam lidar com gerações muito diferentes entre si, com conflitos e necessidades distintas.

Desenvolvimento humano para gerações X, Y e Z: administrando conflitos

Administrar conflitos de gerações não é fácil. Para isso, é necessário conhecer os perfis dos seus profissionais e entendê-los para promover harmonia no ambiente de trabalho. Além disso, é possível estimular uma troca saudável de conhecimento, possibilitando o crescimento de todos.

Conforme uma pesquisa da Amcham-Brasil, pelo menos 75% das empresas têm o desafio de fazer a gestão de conflitos entre gerações. Contudo, apenas 28% das instituições implementam práticas que visam promover a boa convivência entre estes colaboradores.

Ao atingir o equilíbrio na relação entre esses públicos, ganha-se pelo fato de ter diferentes olhares e ideias sobre projetos. E isso, consequentemente, impacta em melhores resultados para a empresa.

O desenvolvimento humano nas empresas precisa ser pensado de uma forma fragmentada, não adianta avaliar genericamente. Para entender as diferenças é necessário conhecer as características de cada uma dessas gerações. Veja a seguir o que representa cada uma delas.

Geração X

Este grupo é nascido entre 1965 e 1980. Acompanharam toda uma mudança tecnológica, política e econômica. Além disso, passarem pela fase hippie, viram surgir o computador, a internet e o celular. Enfim, viveram na pele as transformações do mundo.

No ambiente corporativo, buscam o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, respeitam a hierarquia, trabalham com entusiasmo e gostam de vencer desafios. Trabalham bem em grupo, mas gostam de manter a individualidade. Por fim, buscam recompensa por mérito.

Geração Y

Mais ousados e otimistas em relação ao futuro, a geração Y abrange as pessoas nascidas entre 1980 e 1995. Lutam por causas que tenham como objetivo construir um mundo melhor. Impacientes, desejam que haja avanço rápido, veem mais valor na competência do que na hierarquia e podem contribuir para o desenvolvimento humano dos colegas com sua experiência.

No ambiente corporativo, buscam flexibilidade, pois veem como algo saudável e positivo a possibilidade de fazer home office. Buscam crescimento rápido na carreira, querem ser ricos e famosos, mas não são movidos apenas por dinheiro e cargos. Desejam uma liderança coerente, onde o gestor tem papel de inspirar e nortear a direção, porém, não curtem controle.

Geração Z

Essa geração é composta pelos nascidos entre 1995 e 2010, e estão entrando agora no mercado de trabalho. Nativos digitais, já nasceram utilizando a tecnologia e a internet no dia a dia, o que os leva a não fazer uma boa diferenciação entre a vida online e off-line.

São exigentes e críticos, sabem o que querem e o que não querem. Gostam de flexibilidade no ambiente de trabalho e não gostam de hierarquia. Buscam um emprego com propósito. Esta geração prefere estar em um trabalho que esteja alinhado com os seus valores, tanto que não consideram o salário como uma prioridade.

Como integrar e desenvolver as diferentes gerações?

As lideranças precisam encontrar formas de conectar as diferentes gerações em um mesmo universo de trabalho. Quando conseguem, isso pode trazer diversas vantagens para o desenvolvimento humano nas organizações. Então, muitas estão transformando os ambientes e promovendo práticas que promovam a integração.

Um bom começo é estimular o trabalho em grupo, fazendo com que os profissionais das gerações X, Y e Z trabalhem com um objetivo em comum. 

É importante capacitar as lideranças para incentivarem a troca de valores e conhecimentos entre estas gerações. Mais do que isso, podem atuar como conselheiros e guias, e não apenas como o tradicional gestor de atividades. Para isso, é importante automatizar as tarefas, com o uso de softwares modernos.

Uma das ideias é formar equipes com profissionais que possuem perfis distintos.  Por exemplo, colocar um colaborador mais imediatista e ansioso para desenvolver um projeto com outro que seja mais paciente e metódico. Isso pode tanto promover a troca de conhecimento entre ambos, quanto resultar em um projeto melhor e mais assertivo.

Dar liberdade de criação e de trabalho para os profissionais é a chave para que as empresas se tornem ainda mais inovadoras. Sendo assim, rotinas de feedback ajudam a solucionar conflitos antes que se tornem maiores. Além disso, permite desenvolver esses profissionais e melhorar o clima no ambiente de trabalho.

image 11

Aposte na gestão de capital humano

Empresas devem ter cada vez mais foco nas pessoas, e para que isso aconteça, antigos métodos precisam ser revistos, analisados e alterados. Essa mudança de postura, aliada à gestão de talentos e competências, traz novos desafios para a área de Recursos Humanos, que precisa se tornar ainda mais estratégica para as corporações.

O RH precisa buscar ferramentas modernas para superar os processos tradicionais. Então, automatizar as atividades é essencial, o que proporciona um desenvolvimento humano dos próprios profissionais da área. Veja o que pode ser feito:

  • Processos seletivos: mais do que contratar bons talentos, é necessário que eles estejam alinhados com a cultura da empresa e possuam as competências certas para desempenhar as atividades.
  • Conheça os colaboradores: é necessário acompanhar os profissionais e promover ações de desenvolvimento em cooperação com as lideranças. Avaliar os indicadores também é essencial para tomar decisões mais assertivas.
  • Capacitação: desenvolver as competências dos colaboradores é fundamental para gerar bons resultados. Afinal, profissionais treinados desempenham atividades com maior agilidade. Assim, cabe ao RH promover ações formais visando o desenvolvimento das equipes.
  • Alinhamento estratégico: estar alinhado com as estratégias globais da corporação é essencial. Para isso, o RH deve ter bem claro o objetivo da empresa e alinhar as metas e expectativas com as lideranças.
  • Engajamento e retenção:  é necessário manter os talentos na organização. Sendo assim, promover ações de reconhecimento e bonificação, garantir um ambiente de trabalho saudável e gerir de forma eficiente a mobilidade interna são boas ações.

As pessoas são o ativo mais importante das companhias! Justamente por isso é importante criar ações de acompanhamento para obter o que há de melhor dos colaboradores e gerar resultados a empresa. Isso deve ser feito de uma forma saudável e equilibrada, por meio de uma gestão do capital humano.

Invista em tecnologia para o desenvolvimento humano

Além de seguir todas as práticas aqui listadas, é essencial investir em tecnologia para que o seu negócio atinja a eficiência operacional. Quando o RH passa a lidar com menos processos manuais e existe um investimento em automatização, sobra mais tempo para pensar nas pessoas. E isso é fundamental!

A Ahgora desenvolve softwares baseados em conceitos de armazenamento de dados em nuvem, que permitem a transmissão de informações em tempo real. Machine Learning e tecnologia IoT também são empregados em nossos softwares, garantindo inovações constantes para as rotinas do RH. Por isso, são excelentes para dar mais liberdade e transparência aos processos do setor e da empresa como um todo.

Comece agora mesmo, reveja a cultura organizacional e as políticas da sua empresa. Passe a colocar os profissionais em uma posição de destaque e certamente eles vão contribuir mais para o fortalecimento do negócio. O desenvolvimento humano beneficia a todos e o uso das tecnologias certas irá impulsionar essa transformação.

E-book Futuro do Trabalho: como o RH influencia as novas relações de trabalho, acesse o e-book