A tolerância para registro de ponto eletrônico já é prevista pela legislação trabalhista e garante que o colaborador possa chegar alguns minutos após o horário ou sair mais cedo do serviço. 

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

Se fizer isso, não terá nenhum desconto em sua folha de pagamento. Imprevistos podem acontecer, mas cabe à área de Recursos Humanos estar atenta para identificar quando esse tipo de ação está acontecendo por má-fé.

Isso porque a lei “permite” que os colaboradores se atrasem todos os dias, o que pode levar à perda de até meia jornada ao fim do mês

Vale saber que, caso o colaborador esteja usando essa prerrogativa para sair do trabalho mais cedo, é possível até mesmo uma demissão por justa causa.

Quer saber como lidar com esses casos e compreender os principais detalhes que envolvem a tolerância para registro do ponto? É isso que veremos a seguir!

Como escolher o software ideal para a gestão de ponto

O que é tolerância para registro de ponto?

A tolerância para registro de ponto nada mais é do que uma flexibilização do horário estabelecido para entrada e saída, para que os colaboradores não sejam considerados atrasados e nem tenham descontos por uma questão de poucos minutos.

O registro de ponto é uma atividade obrigatória para todas as empresas que possuem mais de 20 colaboradores. Em suma, essa obrigação serve para fazer a gestão da jornada de trabalho e está prevista na CLT. 

Mesmo que não possua o número mínimo de funcionários, qualquer empresa pode adotar esse controle para evitar prejuízos, ter maior controle da assiduidade e melhorar a relação entre colaboradores e empresas. 

É algo que pode ser feito tanto por meio de registros manuais, automáticos ou digitais.

Como funciona a tolerância para registro de ponto?

A CLT apresenta, no artigo 58 — trecho foi inserido pela Lei nº 10.243, de 2001 — todos os detalhes que envolvem atrasos na marcação de ponto. 

Veja na íntegra: 

“Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o máximo de dez minutos diários”.

Na prática, todos os colaboradores podem chegar até 10 minutos além do horário. Por exemplo, se a jornada começa às 8h, caso o registro de ponto seja feito até às 8h09m59s, ainda estará dentro do estipulado e a chegada após o horário oficial de início do expediente não será considerada como um atraso.

Mas esses minutos devem ser somados, considerando o período de chegada na empresa e a hora de saída. 

Por exemplo: o colaborador pode atrasar 4 minutos na chegada e sair até 6 minutos mais cedo quando for deixar o trabalho.

Tolerância para registro de ponto eletrônico: entenda de vez

O atraso pode ser compensado no mesmo dia?

Não existe compensação de atraso. Caso o trabalhador chegue após o período de tolerância para registro de ponto, o certo é a empresa realizar o desconto — caso o atraso seja superior a 10 minutos — ou fazer o pagamento de horas extras, se o funcionário ficar mais tempo do que determina a sua jornada.

Para que o colaborador tenha a permissão para compensar sua jornada, é necessário que exista uma autorização do sindicato da categoria. Essa é uma situação excepcional, que acontece poucas vezes.

Ressaltamos que qualquer alteração do ponto manual ou digital é uma ação fora do que está previsto na lei e que pode causar passivos trabalhistas. 

Tolerância legal x tolerância interna

A gestão do tempo é um aspecto crucial tanto para a organização quanto para os colaboradores. Na prática, a escolha entre uma política de tolerância para registro de ponto mais rígida ou mais flexível deve considerar o impacto na produtividade e no bem-estar dos colaboradores.

Entenda as diferenças entre uma e outra:

  • A tolerância para registro de ponto legal é estabelecida por legislações trabalhistas vigentes em relação ao registro de ponto eletrônico. Como vimos, a legislação brasileira prevê a tolerância para registro de, no máximo, 10 minutos, considerando entrada e saída;
  • Por outro lado, a tolerância interna é uma política determinada pela empresa e não necessariamente está vinculada às exigências legais, mas a respeita. Então, a organização pode acrescentar um período adicional além da tolerância legal para a marcação de ponto sem penalidades.

Optar por uma tolerância interna mais flexível tem muito a ver com o caráter operacional de cada empresa, dependendo de seus valores, cultura organizacional e necessidades operacionais.

Por exemplo, uma organização que valoriza o equilíbrio entre vida pessoal e profissional pode optar por implementar uma tolerância interna que promova uma maior flexibilidade de horários, facilitando a gestão do tempo sem comprometer a produtividade. Essa abordagem não só ajuda a criar um ambiente de trabalho mais adaptativo e menos rígido, mas também demonstra um compromisso com o bem-estar dos colaboradores, o que pode resultar em maior satisfação e retenção de talentos

É crucial que ambas as políticas, tanto a legal quanto a interna, sejam claramente comunicadas a todos os funcionários para garantir que não haja confusões ou mal-entendidos que possam afetar a relação laboral.

O que acontece quando o colaborador chega antes do horário?

A tolerância para registro de ponto legal na marcação de ponto para quem chega antes do horário também é de 10 minutos! Então, se o colaborador marca seu ponto às 7h40 e a jornada começa às 8h, terá direito ao valor equivalente a 10 minutos de horas extras, referentes ao período trabalhado até às 7h50. 

Portanto, a hora extra é destinada somente aos funcionários que registram seu ponto na empresa além dos 10 minutos de tolerância para o começo ou término da jornada de trabalho

Além disso, cabe ao RH deixar claro que não é porque o profissional marcou seu ponto mais cedo que poderá sair antes do final do expediente, quando a jornada possuir horários fixos.

Vale lembrar que o diálogo sempre é o melhor caminho. Caso o profissional precise antecipar sua saída algum dia, é possível combinar para que a jornada comece mais cedo, desde que seja dada atenção às regras para o fechamento da folha de pagamento.

Tolerância de ponto

Reforce a política de horas extras!

É fundamental para empresas de todos os tamanhos garantir que seus colaboradores iniciem e terminem suas jornadas dentro do horário estabelecido, evitando horas extras desnecessárias. 

Nesse contexto, as iniciativas da área de Recursos Humanos auxiliam esse processo, desde a implementação de medidas, como o adicional de assiduidade até uma boa comunicação interna.

Leia também: Adicional de assiduidade: o que é, o que diz a CLT e como funciona

Imagine dezenas de profissionais chegando atrasados todos os dias? Os efeitos disso podem ser muito negativos.

Ao calcular o impacto financeiro, mesmo de atrasos pequenos, como 10 minutos diários, fica evidente que esse tempo perdido se acumula ao longo do tempo, especialmente em organizações de médio e grande porte. 

Para colaboradores que trabalham aos sábados, por exemplo, o atraso diário pode chegar a 240 minutos (24 dias úteis – segunda a sábado em um mês com 4 semanas). Esse montante se traduz em 4 horas de trabalho perdidas, sem que haja qualquer desconto em seus salários.

Embora atrasos possam ocorrer por inúmeras razões, é importante que os profissionais de gestão de pessoas estejam atentos e abertos para entender a situação individual

Em outras palavras, em vez de aplicar punições imediatas, é importante investigar e compreender se há questões delicadas ou problemas que estão contribuindo para os atrasos.

Além disso, incentivar uma cultura de pontualidade e responsabilidade, através de políticas internas, comunicação aberta e suporte, pode ajudar a minimizar os problemas com as regras de tolerância para registro de ponto eletrônico e garantir a manutenção do equilíbrio no orçamento empresarial.

Custos invisíveis: como escolher gastos não percebidos no RH

Impacto da tolerância no pagamento de horas extras

A gestão adequada da tolerância para registro de ponto influencia diretamente a remuneração dos colaboradores

Aplicando corretamente as políticas, é possível evitar diferenças no pagamento de horas extras e, ao mesmo tempo, garantir que a jornada de trabalho seja cumprida conforme o estabelecido.

Por exemplo, se a tolerância para registro de ponto não for levada em consideração e os colaboradores forem penalizados por pequenos atrasos que estão dentro do período, isso resulta em uma remuneração injusta.

Além disso, uma má gestão da tolerância pode levar a problemas legais relacionados às horas extras. Se os colaboradores realizam trabalho além da jornada, mas essas horas extras não são registradas adequadamente, a empresa pode enfrentar problemas na justiça.

Por isso, é importantíssimo que as organizações criem políticas consistentes em relação à tolerância para registro de ponto, garantam que os gestores e colaboradores estejam cientes e, claro, que cumpram as regras estabelecidas.

O que fazer com um trabalhador que atrasa de modo constante?

Para lidar com um colaborador que apresenta atrasos recorrentes, primeiro, é preciso adotar medidas para corrigir o comportamento sem recorrer imediatamente a punições, como suspensão ou demissão por justa causa.

Nesse momento, é importante reconhecer que os atrasos recorrentes podem acontecer por diversas razões, inclusive falta de comprometimento ou desatenção por parte do funcionário, o que demanda intervenção por parte da empresa.

Sendo assim, é recomendável que o RH se comunique com o colaborador diretamente para entender as razões por trás desses atrasos e oferecer o apoio necessário. 

Leia também: Saúde mental: como o RH pode ajudar os colaboradores?

É comum que questões pessoais ou profissionais influenciem esse comportamento, e a empatia pode ajudar a resolver os problemas sem demandar medidas mais burocráticas.

Caso os atrasos persistam após essa conversa inicial, o RH pode aplicar advertências formais, confirmando a importância da pontualidade e os impactos negativos que os atrasos podem causar no ambiente de trabalho. Essa prática funciona como um segundo alerta.

Se não houver uma melhora no comportamento, o próximo passo pode ser uma suspensão temporária. No entanto, essa decisão precisa ser tomada após uma análise e acompanhamento do colaborador durante o período de suspensão.

Cabe ressaltar que a desídia — negligência ou falta de interesse nas responsabilidades profissionais — é um motivo válido para demissão por justa causa. 

Porém, antes de tomar essa medida extrema, o RH deve esgotar todas as outras opções de correção de comportamento para que o colaborador esteja sempre informado sobre as possíveis consequências de seus atos.

Dicas para lidar com tolerância para registro de ponto eletrônico

Empresas que ainda possuem o registro manual de chegadas e saídas podem sofrer ainda mais com os problemas associados à tolerância para registro de ponto.

Fato é que o livro ponto é coisa do passado! A legislação trabalhista permite o uso de ponto eletrônico para fazer a gestão da jornada de trabalho, que evita o retrabalho e possíveis inconsistências.

Veja abaixo as principais dicas para adequar a tolerância para registro de ponto nesse caso:

Utilize sistemas de ponto eletrônico

A adoção de tecnologias, como sistemas de ponto eletrônico, pode simplificar muito e otimizar o processo de registro diário. 

Essas soluções oferecem recursos de monitoramento, segurança de dados e elaboração de relatório, facilitando o acompanhamento da frequência dos colaboradores. 

Assim, a aplicação das políticas de tolerância para registro de ponto acontece de forma mais justa e clara para todos.

Com a implementação de um sistema de ponto, a empresa pode registrar com precisão todas as entradas e saídas, garantindo total transparência e eliminando os erros comuns de registro manual. 

Além disso, eles também podem oferecer funcionalidades adicionais, como alertas automáticos para atrasos recorrentes, o que auxilia a área de RH na identificação de comportamentos repetitivos para tomar melhores decisões.

Seja transparente

Criar as políticas de assiduidade e comunicá-las a todos os colaboradores já pode construir um ambiente de trabalho mais organizado. 

Com a definição das expectativas em relação à pontualidade, a empresa afirma seu compromisso com a flexibilidade sem deixar de lado a disciplina. 

Além disso, garantir que os colaboradores entendam as políticas de tolerância para registro de ponto e as consequências dos atrasos é parte do incentivo à responsabilidade individual e à eliminação de mal-entendidos relacionados ao tema. 

Por fim, ser transparente em suas ações de registro de ponto eletrônico alimenta uma cultura organizacional que valoriza a confiança e a honestidade.

Monitore e acompanhe

Registrar o ponto torna o processo mais confiável e eficiente, mas é só o primeiro passo! É indispensável monitorar e acompanhar de perto a frequência dos colaboradores ao longo do tempo. 

Isso também é possível através do ponto eletrônico, que permite ao RH avaliar melhor as ações dos colaboradores e agir proativamente quando observar situações inadequadas. 

Além disso, o monitoramento do ponto permite à empresa analisar dados concretos, sendo imparcial na gestão da frequência dos funcionários.

People Analytics: o próximo passo para o RH digital

Conscientize os colaboradores

É importante fornecer treinamento e orientação aos colaboradores sobre a tolerância para registro de ponto e a importância da pontualidade e as consequências dos atrasos, como suspensão e até a demissão. 

Essas ações de conscientização precisam abordar a importância de cumprir horários e respeitar os compromissos, além de criar uma cultura de engajamento com o trabalho

Além disso, deixar à disposição um suporte e incentivo aos colaboradores que enfrentam dificuldades para chegar pontualmente ao trabalho pode ajudar a reduzir os índices de atrasos e melhorar o clima organizacional.

Ofereça flexibilidade

A possibilidade de horários flexíveis de entrada e saída, quando possível, pode ajudar a evitar prejuízos causados por atrasos

No entanto, é importante que os colaboradores assumam a responsabilidade por cumprir suas jornadas de trabalho, mesmo quando têm a opção de horários flexíveis. 

Isso é possível através de uma boa comunicação entre empresa e funcionário, com  limites claros estipulados para garantir que a flexibilidade não comprometa a produtividade da equipe.

Otimize a gestão de ponto eletrônico com Pontoweb! 

O Pontoweb, uma tecnologia desenvolvida pela Ahgora, oferece uma série de funcionalidades que simplificam e otimizam a gestão do registro de ponto

Com ele, é possível:

  • Registrar a entrada e saída dos colaboradores automaticamente, eliminando erros e garantindo a conformidade com as leis trabalhistas;
  • Monitorar a jornada de trabalho dos funcionários em tempo real, garantindo maior controle para a equipe de RH;
  • Gerenciar a tolerância para registro de ponto de forma personalizada, permitindo que a empresa defina políticas de acordo com suas necessidades;
  • Integrar-se facilmente com dispositivos de ponto eletrônico, como relógios de ponto biométricos e cartões de proximidade;
  • Acessar relatórios detalhados sobre a frequência e a pontualidade dos colaboradores, para um melhor planejamento de recursos.

Com todas essas funcionalidades, o Pontoweb é uma ferramenta indispensável para a sua gestão de ponto. Para saber mais sobre como ele pode ajudar a sua empresa, solicite uma proposta!

Tolerância para registro de ponto é com Pontoweb!

Rumo a um ambiente de trabalho mais justo e eficiente! 

Aprendendo como gerenciar a tolerância para registro de ponto, as empresas podem promover um ambiente de trabalho mais transparente e produtivo para todos os envolvidos!

Aliado a isso, a implementação de sistemas de ponto eletrônico permite monitorar a frequência, identificar comportamentos e aplicar políticas de forma mais equitativa.

Ou seja, lidando de forma proativa e consciente com a tolerância para registro de ponto, a organização compreende que o bem-estar no trabalho é primordial, ao mesmo tempo em que garante a remuneração adequada com o cumprimento das leis trabalhistas.

Por isso, não pare por aqui! Descubra como a tecnologia na gestão de ponto favorece um RH digital, baixando gratuitamente nosso e-book

Tecnologia na gestão de ponto eletrônico